Blog do Roberto Zanin

Este blog analisa e repercute notícias destes tempos.

Posts Tagged ‘mães

Elabore planos de ação na educação dos seus filhos

Para que nosso filhos cresçam como pessoas, precisamos propiciar que desenvolvam projetos de vida pautados justamente pelo ideal de excelência humana (ex-cellere = ascender, tornar-se melhor).

São esses projetos que lhes darão sentido à vida e motivação para o aprendizado e para a aquisição de qualidades. As habilidades que nos tornam pessoas excelentes foram chamadas na filosofia clássica de virtudes. De acordo com Platão, o grau de felicidade depende da maior ou menor aquisição e consequente posse de virtudes pelas crianças, principalmente da justiça e temperança.

Daí a importância da elaboração de projetos e planos de ação na educação de nossos filhos. Na Escola AeD por exemplo, cada aluno tem um plano de ação por escrito e que é aplicado em conjunto pelos pais, tutor e a escola. A eficácia gerada é muito grande, não só pela unidade de ação, mas também pelo foco e contínuo “coaching” personalizado do processo e dos resultados.

Segundo José Maria Rodriguez Ramos, em seu livro “Conhece-te a ti mesmo”, antes, porém, de poder formular um projeto de ação de excelência humana para as crianças, é necessário fazer um diagnóstico integral a respeito dos filhos e também dos próprios pais que são seu maior “modelo de amor”.

É preciso mergulhar nas características internas nossas e deles e refletir sobre elas.

O diagnóstico exige um espírito de exame, uma formação positiva com boas leituras e, segundo José Maria Rodriguez, o mais importante, uma atitude de saber escutar.

Aprendemos muito a partir dos outros se soubermos escutar.

Também, para nos auxiliar no diagnóstico dos filhos, podemos nos aprofundar no estudo da caracterologia: conhecer o seu temperamento. Cada filho é único e tem inclinações naturais próprias.  É importante nós, pais, conhecermos o melhor possível estas características e, também, ajudá-los a se conhecerem e perceberem como sentem e reagem, quais são suas qualidades e os defeitos.

A partir daí elaborar um plano de melhoria pessoal refletido e baseado na razão, que é a medida do que é verdadeiramente bom ou mal para o alcance de sua felicidade.

No mito da caverna de Platão, o bem justamente deve ser conhecido através da educação (ex-ducere = conduzir para fora, desenvolver as potencialidades). Os filhos precisam sair das sombras da caverna para o mundo inteligível e de desenvolvimento da razão, do conhecimento da verdade das coisas e do respectivo crescimento nas virtudes e consequente capacidade de fazer o bem.

E cabe aos pais esta maravilhosa missão!

Written by Editor do Blog

22 de março de 2017 at 11:32

Publicado em Educação

Tagged with , , , , ,

Educando seus filhos para a liderança

O caráter é a base para a educação para a felicidade.

Educar a vontade significa ajudar os filhos a crescerem em hábitos bons, ou seja, que levam ao bem. Na linguagem de Aristóteles, trata-se de ajudá-los a desenvolverem virtudes. Quanto mais virtudes forem adquirindo, torna-se mais fácil que eles consigam tomar decisões cada vez mais acertadas e que, portanto, geram satisfações positivas e um aprendizado positivo para as próximas decisões. Entram em um maravilhoso “looping” virtuoso.

A primeira estratégia prática é começar cedo – desde o nascimento- e de aproveitar as janelas de oportunidade de cada hábito bom ou virtude.

As janelas de oportunidade justamente são períodos de tempo nos quais a aquisição de algum hábito operativo é muito fácil e natural.

Por exemplo, de zero a 3 anos é a fase natural para as crianças adquirirem a ordem, higiene, alimentação e sono sem dificuldades e que já são a base para facilitar a aquisição de mais hábitos operativos bons.

Dos 3 aos 6 é a fase da aquisição da constância, sinceridade, obediência e generosidade. Depois até os 11 anos são acrescentados os valores da responsabilidade e fortaleza e de 12 até 15 os da temperança, paciência, pudor, respeito e assim sucessivamente.

Começar cedo inibe os vícios e também ajuda a formar “marcas” positivas em nível cerebral.

Outra estratégia prática é os pais darem o exemplo e também oportunidades para os filhos se exercitarem. Desde pequenos exigir que façam as atividades que consigam realizar por si mesmos e à medida que forem crescendo, aumentar as exigências de independência e autonomia. Quando pequenos motivar a que se vistam sozinhos, arrumem seus brinquedos, a cama, depois pedir que ajudem a família em encargos da casa como colocar a mesa, preparar uma sobremesa, e assim sucessivamente. É importantíssimo não superproteger as crianças, achar que são coitadinhas e tampouco os pais devem privá-las de fracassos ou das consequências negativas de sua autonomia. Melhor a criança fazer de forma imperfeita sem ajuda, aos pais fazerem por ela. Exigir que comecem e terminem uma atividade, desde um esporte que escolheram até a lição de casa diária. Que pratiquem a natação até o final do semestre ou ano antes de mudar.

Outra estratégia que deveria ser aliada à da exigência é a educação no positivo. Confiar nos filhos, que eles são capazes, vão conseguir fazer as coisas, em vez de rotulá-los de forma negativa e reclamar dos defeitos e erros do passado. Focar nas qualidades e potencialidades. Então, por exemplo, se o filho vai muito bem em matemática, ajudá-lo a ser cada vez melhor e colocá-lo em aulas adicionais justamente de matemática.

Isso porque quando a criança cresce em uma habilidade ou virtude, automaticamente a vontade cresce e outras virtudes também.

Finalmente ajuda muito em todo o processo, os pais proporcionarem um ambiente de amigos, escola e lazer favorável à aquisição de valores éticos. A influência positiva dos amigos é fundamental, principalmente enquanto está sendo formada sua consciência e capacidade racional de conhecer e avaliar a realidade.

Júlia Manglano (especialista em educação pelo Instituto Europeu de Educação).

 

Written by Editor do Blog

23 de dezembro de 2016 at 10:56

Publicado em Cotidiano

Tagged with , , , , ,