Blog do Roberto Zanin

Este blog analisa e repercute notícias destes tempos.

Archive for junho 2015

Encíclica Laudato Sii propõe nova relação do homem com o planeta

Uma encíclica parte do ponto de vista do líder da Igreja Católica, dirigida, em primeiro plano aos católicos, mas, “de dentro” visa propor a todos, crentes e não crentes, uma reflexão profunda sobre uma determinada realidade.

Quando um papa escreve uma encíclica, é lógico que não faz isso com base no que lhe vem à cabeça. Toda a sabedoria de pensadores (católicos ou não), consultores, teólogos e outros expertos amalgamam o texto final.  Dessa forma, as encíclicas ganham perspectiva a partir de um ponto “acima” do contexto, debruçam-se sobre ele, reconhecem o que há de bom, detectam problemas e propõem soluções.

A encíclica Laudato Sii, do Papa Francisco, sobre  Ecologia, segue essa linha. O simples fato de ter sido escrita, desafia o laicismo (perversão da laicidade), que procura empurrar a Igreja para as sacristias; que crê que a Religião deve se limitar à orações privadas, e ignora que a fé implica na ação. Crer que Deus criou o Universo leva à consequência lógica de que a preservação do planeta seja, sim, “pauta” da Igreja.

Todos os 246 parágrafos de Laudato Sii, podem se resumir a quatro perguntas fundamentais, matriz de que derivam tudo o que a encíclica aborda: Para que passamos por este mundo? Para que viemos a esta vida? Para que trabalhamos e lutamos? O que Terra quer de nós? O Papa não crê que nossas preocupações ecológicas possam ter resultados importantes, se não nos fizermos essas perguntas de fundo.

Esse pressuposto já desafia o homem e a mulher modernos, pelo simples fato de convidá-los a parar e a refletir. A correria hodierna, o excesso de informação e a paradoxal escassez de formação que se experimenta na era das redes sociais e dos aplicativos, nos leva a correr, nos leva ao ruído. Agimos e não refletimos; fazemos e não pensamos.

A partir de então, a Encíclica explana o que está acontecendo em “nossa casa” comum, a Terra. Ressalta que cada um deve assumir como problema pessoal o que acontece no meio-ambiente e aborda questões como as mudanças climáticas – “um dos principais desafios atuais para a humanidade”- ; a questão da água, ressaltando que o acesso à água potável e segura é um direito humano básico; a perda da biodeversidade e a dívida ecológica que contraímos. Tudo isso levando em conta que esses e outros problemas ambientais recaem, sobretudo, sobre os pobres.

O texto segue falando sobre o “Evangelho da Criação”. Com base no Gênesis, que relata que o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, o papa alerta que se deve rechaçar, todavia, a ideia de que isso confere ao ser humano um poder absoluto sobre as demais criaturas. O mesmo Deus que hierarquizou a criação, deu o jardim do mundo ao homem para que este o cultive e proteja.

O capítulo terceiro põe o dedo na ferida ao tratar da raiz humana sob os problemas ecológicos:  “O antropocentrismo moderno acabou, paradoxalmente, por colocar a razão técnica acima da realidade”. Nesse sentido, o homem não vê a natureza como habitat dos seres, mas como um ambiente de extração pura e simples, sem se importar com as consequências de suas ações.

O núcleo da proposta da encíclica é uma ecologia integral, que em suas várias dimensões, integre o lugar específico que o ser humano ocupa neste mundo e as suas relações com a realidade que o rodeia. Nesse sentido, elenca linhas de ação em nível macro, reconhecendo que os acordos internacionais sobre meio-ambiente não atingiram os resultados esperados, além de novas políticas regionais (cada país tem desafios ecológicos próprios). A encíclica pede maior transparência nos processos decisórios, já que a corrupção e interesses econômicos por vezes sobrepujam o impacto ambiental de determinadas obras e intervenções.

O Papa encerra com um apelo para que haja uma educação ecológica e, mais além, uma espiritualidade ecológica , propondo um novo estilo de vida, com consumo responsável.  Francisco exorta os cidadãos para que saibam pressionar governos e empresas, para que levem em conta o impacto ambiental de suas políticas e formas de produção.

Em meio às sombras da realidade ambiental do planeta, Laudato Sii procura aportar luz. O Papa acredita que o mesmo ser humano que não soube cuidar de sua casa, é capaz de converter seu modo de pensar e agir para reconstruir o planeta, como São Francisco reconstruiu a Igreja.

banner bioleve

 

 

Written by Editor do Blog

18 de junho de 2015 at 11:38

Publicado em Igreja

Tagged with , , , ,